segunda-feira, 26 de maio de 2008

Peddy-Paper na Escola


PARTICIPAÇÃO

  1. Cada equipa deve preencher um boletim de inscrição que estará disponível no ginásio (pedir ao funcionário), na sala anexa ao Laboratório de Biologia (pedir aos professores Adelina Correia, Lucinda Mendes e Maria João Lima) e ainda no blogue (http://www.entranaciencia.blogspot.com)/
  2. As inscrições deverão ser efectuadas até 31 de MAIO de 2008.


CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS

  1. As equipas são constituídas por três a cinco elementos.
  2. Os alunos terão que pertencer ao mesmo ciclo de ensino (básico ou secundário).
  3. Cada equipa tem de eleger um nome (atractivo, claro!) para a sua identificação.

DATA E LOCAL DA REALIZAÇÃO DA PROVA

  1. Dia 4 de Junho de 2008 às 14:30 h.
  2. As equipas iniciam o peddy-paper no ginásio.
  3. O jogo decorrerá no recinto da escola.

PROVA

  1. As equipas iniciam o peddy-paper com três minutos de intervalo entre si.
  2. As equipas percorrem 10 postos pela ordem indicada na sua carta de prova, onde terão que responder a perguntas ou executar tarefas.
  3. Em cada posto encontra-se um responsável que dará a cada equipa as indicações para o cumprimento das tarefas propostas.

REGRAS DE CONDUTA

  1. Os participantes devem fazer o seu melhor, se possível alcançar a vitória.
  2. Os participantes comprometem-se a respeitar as regras definidas para o jogo e a tratar com cordialidade e respeito todos os envolvidos.

CLASSIFICAÇÃO

  1. Cada actividade correctamente realizada será cotada com um ponto, bem como a resposta correcta a cada questão. Actividades não concluídas e respostas incompletas ou incorrectas serão cotadas com zero pontos.
  2. A equipa vencedora será aquela que obtiver um maior número de pontos.
    c. Em caso de empate, a equipa vencedora será a que fizer o percurso em menos tempo.

Em Busca do OK(si)GÉNIO Perdido

Com o nome "Em Busca do OK(si)GÉNIO Perdido", vai realizar-se na Escola Secundária um Peddy-Paper.
Vem divertir-te. Forma a tua equipa , inscreve-te e participa

POR UMA TERRA MAIS VERDE.


O Regulamento e a ficha de inscrição encontram-se disponíveis neste blogue.Também podes inscrever-te no ginásio ou na sala anexa ao laboratório de Biologia.

domingo, 25 de maio de 2008

Sonda Phoenix chega a Marte

Sonda Phoenix chega a Marte na madrugada de dia 26 http://www.portaldoastronomo.org/noticia.php?id=743



Na madrugada de dia 26 de Maio está prevista a chegada a Marte de mais uma sonda da NASA, a Mars Phoenix Lander, destinada a aprofundar o nosso conhecimento sobre o planeta vermelho. A NASA transmitirá a partir do seu centro de controlo na Califórnia (Jet Propulsion Laboratory), todo o processo de entrada, descida e aterragem da sonda. Esta emissão estará disponível em:www.nasa.gov/multimedia/nasatv


Em Portugal, esta emissão será acompanhada em directo, a partir das 20h do dia 25 de Maio, no âmbito de uma sessão pública organizada pelo NUCLIO, a ter lugar no Instituto Geográfico do Exército, em Lisboa, na qual estarão também presentes diversos especialistas nacionais, actualmente envolvidos em projectos relevantes para a exploração de Marte.

Podes descobrir mais informação em:www.nuclio.pt/projectos/000070.html.

Pouco depois da meia-noite do próximo dia 25 de Maio, a agência espacial norte-americana NASA fará chegar a Marte a sonda Mars Phoenix Lander, cujo principal objectivo é investigar a água existente, sob a forma de gelo, no planeta vermelho. Trata-se da primeira missão a tomar contacto directo com água na superfície de outro planeta.
A Mars Phoenix Lander é mais um importante passo no sentido de identificar localizações promissoras para a busca de vida em Marte. O actual programa de exploração levado a cabo pelas agências espaciais europeia e norte-americana estabelece um roteiro destinado à preparação de uma missão de recolha de amostras na superfície do planeta e seu subsequente envio para a Terra (Mars Sample Return), actualmente programada para o final da próxima década.
Não obstante a importância da sua missão, a Mars Phoenix Lander apenas poderá contribuir para o avanço do conhecimento científico sobre Marte após ultrapassar, no dia 25 de Maio, um derradeiro e exigente obstáculo: o período de sete minutos que compreende a entrada na atmosfera de Marte, seguida da descida, e finalmente da aterragem em segurança na superfície do planeta. Trata-se de um desafio em que menos de metade de todas as tentativas realizadas até hoje tiveram sucesso, e que é por vezes descrito pelos engenheiros envolvidos neste tipo de missões como "os sete minutos de terror".
A ter sucesso, esta será a primeira aterragem em Marte com recurso a foguetes desde as missões Viking, que tiveram lugar há mais de 30 anos. Desde então, todas as tentativas que tiveram êxito recorreram a 'airbags' para acolchoar o embate com o solo.
O contacto da Mars Phoenix Lander com a Terra será mantido durante a totalidade do seu voo atmosférico, tal como aconteceu com os seus predecessores Spirit e Opportunity. Para tal, a nave está equipada com um sistema de rádio, o que torna possível a monitorização de todos os passos das fases de entrada, descida e aterragem. Estes dados serão disponibilizados em tempo-real através da Internet, numa emissão especial que a NASA transmitirá a partir do seu centro de controlo na Califórnia (Jet Propulsion Laboratory), na noite de 25 de Maio. Esta emissão estará disponível em:www.nasa.gov/multimedia/nasatv

sábado, 24 de maio de 2008

Perder Peso é Divertido






Sob o lema «Perder Peso é Divertido», dia 24 de Maio de 2008 a ADEXO (Associação de Doentes Obesos e Ex-Obesos de Portugal) vai celebrar o Dia Nacional de Luta Contra a Obesidade com várias actividades em diferentes cidades de Portugal.



O programa inicia-se, pelas 10 horas de dia 24 de Maio, com uma sessão solene, com a presença dos representantes do Fórum Europeu da Obesidade, no Hotel Marriott, em Lisboa.
No Estádio Universitário, em Lisboa, entre as 10 e as 18 horas decorrem rastreios, jogos tradicionais, os ateliers "Água um tesouro que vale ouro" e "Saber comer para bem viver", aulas de Tai Chi Chuan e Pilates, marcha controlada, relaxação e alongamentos e uma marcha contra a obesidade. Adultos e crianças terão ainda ao seu dispor um parque de insufláveis. A Plataforma Contra a Obesidade realiza a peça de teatro "História fantástica do VBOY".
Em Évora, em colaboração com a Administração Regional de Saúde do Alentejo, realizam-se, entre as 10 e as 18 horas, no Parque Infantil do Jardim Público, um rastreio da obesidade, actividades lúdicas para crianças e um teatro de fantoches e música sobre alimentação saudável.
Em Portalegre, na zona ribeirinha de Ponte de Sôr, decorrem um pedipaper, um passeio pedestre, uma sessão informativa e um lanche saudável. Na praia fluvial de Monforte, foi organizado um percurso de 7 quilómetros até às ruínas da Torre de Palma.
Nos Açores, realizam-se actividades de sensibilização relativas à obesidade, sob o lema "a tua saúde primeiro", em todos os concelhos da região. Nas Portas da Cidade de Ponta Delgada, em São Miguel, tem lugar um rastreio da obesidade infantil e da obesidade do adulto, diabetes e hipertensão arterial e uma gincana como promoção da actividade física. As actividades, que se iniciam às 10 horas, terminam por volta das 14 horas.
Para saber mais, consulte:
Adexo - http://www.adexo.pt/

HojeÉ

Dia nacional contra a obesidade Hoje comemora-se o dia nacional contra a obesidade. Todos os dias ouço na tv e leio nos jornais que a obesidade está cada vez mais a aumentar no nosso país, a obesidade infantil é cada vez maior, mais de cerca de 50% da população portuguesa tem peso a mais, etc…Mas o que se passa?O porquê? Para mim, existem várias razões dentro das quais destaco: o estilo de vida, falta de tempo, conscialização e stress… Cada vez mais o mundo que nos rodeia tira-nos tempo, nós quase nem temos tempo para comer…essa é que é a realidade…e se temos falta de tempo para comer…ainda menos tempo temos para praticar qualquer tipo de actividade física e assim torna-se complicado combater esta tendência do crescimento da obesidade nos portugueses.

Uma alimentação sã, a prática regular de exercício físico e o controlo da tensão, do colesterol e da diabetes reduzem os riscos associados ao excesso de peso.

Como prevenir e combater a obesidade

A melhor maneira de prevenir e combater a obesidade é fechando a boca para os excessos de guloseimas e alimentos com alta taxa de açúcares e gorduras.

Quem não quer ter de se preocupar com obesidade, deve deixar de lado a vida sedentária e fazer algum tipo de atividade física quase que diáriamente pois, quando a obesidade chega e arrebata os ponteiros da balança, todo o prazer do exagero se transforma em sofrimento para perder aqueles quilinhos extras.

O melhor remédio é…

A prevenção. Praticar uma alimentação saudável e procurar fazer actividades físicas leves ou moderadas, pelo menos três vezes por semana.



A melhor forma de se alimentar é seguindo as proporções indicadas pela roda dos alimentos e consumir alimentos dos três grupos alimentares - energéticos (glícidos e gorduras), construtores (proteínas) e reguladores (vitaminas e minerais) - nas proporções recomendadas.



Para ajudar o corpo a queimar as calorias extras, que se transformam rapidamente em energia e são armazenadas como depósitos de gordura, nada melhor do que se mexer! Além de ajudar a entrar em forma, a prática regular de exercícios melhora as funções cardiovasculares, reduz as taxas de colesterol e triglicerídeos no sangue e deixa a pessoa mais bonita e bem disposta, entre muitos outros benefícios.




Lembrem-se !!! A obesidade é a epidemia do séx.XXI!!!

Plataforma contra a obesidade põe portugueses a "mexer"

Brigadas da Energia Positiva animaram ruas do Porto numa acção contra a obesidade




No âmbito do dia nacional de luta contra a obesidade, a 24 de Maio, o Movimento Energia Positiva, projecto conjunto da Plataforma Contra a Obesidade, da Direcção-Geral da Saúde (DGS) e da Galp Energia, saiu à rua esta terça-feira, para sensibilizar a população a adoptar um estilo de vida mais saudável. Crianças são o grupo de maior risco

Além de alertar as pessoas para os perigos associados à obesidade, a iniciativa, que decorreu em Lisboa e no Porto, teve como objectivo reduzir a incidência da pré-obesidade e da obesidade, diminuir a prevalência desta condição nas crianças, adolescentes e adultos e reduzir o número de casos de pessoas reincidentes.

Com o mote "não fique parado, movimente esta ideia por uma vida mais positiva e saudável", as Brigadas da Energia Positiva promoveram animações de rua ao som do jingle que a plataforma criou, cantado pelo ex-D'Zrt Vítor Fonseca e entregaram panfletos informativos. Além disso, adoptaram o hip-hop como estilo de dança "por ser bastante ritmado e cheio de energia", factores "imprescindíveis" para uma vida saudável, lembrou Isabel Calado, porta-voz do Movimento Energia Positiva.
.

video

.
A responsável defende que as iniciativas de rua deviam ser mais promovidas, porque "geralmente geram a curiosidade junto das pessoas que circulam nos locais e proporcionam uma experiência positiva para quem assiste, deixando fortes impressões".

A escolha do ritmo hip-hop não foi fortuita. Trata-se de um estilo de dança que está na "moda" e é facilmente reconhecido pelo público mais jovem. "São as crianças e os jovens que apresentam elevadas taxas de obesidade e que se encontram na idade da criação de hábitos e de estilos de vida, que geralmente se mantêm na idade adulta", disse Isabel Calado.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2005 cerca de 20 milhões de crianças com idade inferior aos cinco anos apresentavam excesso de peso. Para contrariar estes números, Isabel Calado defende ser "urgente mudar comportamentos, através da adopção de estilos de vida mais saudáveis que passam por uma alimentação equilibrada e pela prática de actividade física regular".
.
Fonte da Notícia : JPN- Publicada em: 20.05.2008 por Anabela Seabra

quinta-feira, 22 de maio de 2008

HojeÉ

Dia Mundial da Biodiversidade


No Dia Mundial da Biodiversidade 2008, celebrado hoje, a União Mundial para a Conservação (UICN) pôs onze espécies de tubarões e raias na sua Lista Vermelha e lembrou que ainda não há limites para a captura destes animais ameaçados de extinção.
Para marcar o dia, a UICN apresentou os resultados do primeiro estudo que traça a situação global de 21 espécies de tubarões e raias pelágicas (que vivem no mar alto). Mas os 15 cientistas que o realizaram, coordenados pelo Grupo de Especialistas da UICN em Tubarões, não tinham boas notícias para dar. Pelo menos para onze espécies, entre elas o Tubarão-raposo (Alopias vulpinus), o Tubarão luzidio (Carcharhinus falciformis) e o Rinquim (Isurus oxyrinchus).A culpa, dizem, é das capturas acidentais mas sobretudo do excesso de pesca para a comercialização das barbatanas e de carne. No ano passado, só em Singapura foram consumidas mais de 470 toneladas de barbatanas de tubarão, segundo o “China Post”.“A visão tradicional dos tubarões e raias oceânicos como rápidos e poderosos muitas vezes leva ao erro de pensar que eles são resilientes à sobre-exploração pesqueira”, diz Sonja Fordham, da UICN.Mas apesar “das provas do declínio e das crescentes ameaças a estas espécies, não existem limites internacionais para as capturas dos tubarões oceânicos”, salienta. “É urgente tomar medidas globais para que estas pescas sejam sustentáveis”.Além da definição de limites para as capturas, o estudo da UICN – publicado na revista “Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Ecosystems” - sugere a melhoria da monitorização das pescas, o investimento em investigação e a minimização das capturas acidentais.“Estamos a perder espécies a um ritmo entre dez a cem vezes mais rápido do que os níveis históricos de extinção (...). Mas não tem de ser assim. Com o apoio das pessoas e a vontade política podemos dar a volta a esta maré”, comentou o autor principal do estudo, Nicholas Dulvy, da Universidade Simon Fraser, em Vancouver.

Fonte da notícia: PÚBLICO. PT

segunda-feira, 19 de maio de 2008

400 cangurus serão sacrificados


Matança de cangurus na Austrália


Alegando que os cangurus cinzentos colocam em risco a sobrevivência de outras espécies autóctones como lagartos e insectos, o governo australiano decidiu a partir de hoje sacrificar 400 cangurus. Um porta-voz do exército da base militar de Belconnen disse que os marsupiais - que são símbolos da Austrália - estão provocando danos ambientais de grande proporção ao consumirem grandes quantidades de pasto.
A população de marsupiais aumentou muito nos últimos anos, tornando-se uma praga.
Muitas organizações ecologistas de protecção de animais estão contra esta posição tomada pelo governo, havendo mesmo uma campanha encabeçada pelo ex Beatle Paul McCartney.

Uma estratégia para evitar esta tragédia seria transportar os animais para uma reserva protegida. Esta hipótese não foi tida em conta pelo governo devido ao elevado custo do transporte (2.2 milhões de euros). Os defensores dos animais afirmam que o transporte só custaria 464.000 euros.
O certo, é que 400 cangurus serão sacrificados na base militar de Belconnem em Camberra.Os cangurus serão caçados com dardos contendo tranqüilizantes e receberão em seguida injeções letais.


É deveras lamentável que se tomem atitudes desta natureza.


Fonte da notícia: site - http://www.ecologiaverde.com/

domingo, 18 de maio de 2008

GALÁPAGOS - Um Mundo ( diferente) em Movimento

É uma viagem de outro mundo ou, melhor dito, a outro mundo. Ciência Hoje vai publicar alguns videos que permitam aos jovens que desejem participar no concurso «Na Senda de Darwin» saber o que é o prémio que realmente podem ganhar. São imagens que também interessam aos participantes na viagem que Ciência Hoje vai organizar de 5 a 15 de Abril de 2009.
O video que apresentamos a seguir é uma curta reportagem, de três minutos, da BBC em 2006. É caso para dizer: «Small is beautiful!»



Na Senda de Darwin



Aí está o concurso «Na Senda de Darwin»! Jovens de todo o País vão disputar 3+1 viagens às ilhas Galápagos e ao Equador!
2008-05-15 Por Jorge Massada

Para comemorar os 200 anos do nascimento de Charles Darwin e os 150 da publicação do seu livro «A Origem das Espécies» que têm lugar em 2009, o jornal Ciência Hoje vai lançar, com o apoio do Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica -, um concurso dirigido aos estudantes que em Setembro de 2008 estejam no 10º, 11º e 12º anos das escolas de todo o País.
A equipa vencedora – todas as equipas serão constituídas obrigatoriamente por três elementos – terá como prémio três cruzeiros (mais um) nas Ilhas Galápagos, no Oceano Pacífico, onde Darwin passou pouco mais de um mês em 1835 e onde fez observações que foram importantes para a elaboração da sua Teoria da Evolução das Espécies. A viagem inclui ainda uma visita de alguns dias ao Equador a que as Galápagos pertencem administrativamente
A viagem dos vencedores terá lugar nesse mesmo ano de 2009, entre 5 e 15 de Abril, e os estudantes terão de se fazer acompanhar por um(a) professor(a) por eles convidado(a) da escola a que pertencem. A viagem deste professor(a) faz parte do prémio.
O programa da viagem pode ser descarregado a partir de http://www.cienciahoje.pt/files/26/26083.pdf
Toda a informação pode ser obtida clicando no "banner" do topo de Ciência Hoje que remete para a introdução ao concurso, ao regulamento, as provas a prestar e à ficha de inscrição

PLANETA PERDE BIODIVERSIDADE

Planeta perdeu 27 por cento da vida selvagem desde 1970


As populações de animais selvagens do planeta registaram uma queda global de 27 por cento desde 1970, revela o Índice Planeta Vivo 2008 realizado pela Sociedade Zoológica de Londres para a organização WWF (Fundo Mundial da Natureza) e divulgado hoje.

As populações das espécies terrestres diminuíram 25 por cento, as marinhas 28 por cento e as de água doce, 29 por cento, revela este Índice que monitoriza quatro mil populações de 302 espécies de mamíferos, 811 de aves, 241 de peixes, 83 de anfíbios e 40 de répteis.

Nos gráficos que denunciam as tendências populacionais, são mais as linhas que descem do que as que sobem. A WWF receia que o Baiji (Lipotes vexillifer) ou golfinho do rio Yangtzé (China), se tenha perdido. O espadarte do Atlântico (Xiphias gladius) é outra espécie que está a perder terreno, assim como o abutre indiano (Gyps bengalensis).

Mas também há populações que estão em recuperação. É o caso do elefante africano na Tanzânia (Loxodonta africana) e do salmão atlântico (Salmo salar) na Noruega.


Apesar disso, os números não são de todo animadores se pensarmos que a comunidade internacional tem apenas mais dois anos para cumprir o ambicioso desígnio a que se propôs em 2000: conseguir reduzir “significativamente” o ritmo de perda da biodiversidade mundial até 2010.

A WWF aponta a destruição de habitats e o comércio ilegal como os grands responsáveis por um declínio que se mantém constante desde 1976. Tudo isto leva a crer que “é muito provável que a meta de 2010 não seja cumprida”, diz o relatório de apresentação do Índice. “A menos que sejam tomadas medidas imediatas para reduzir as pressões sobre os ecossistemas naturais, a perda da biodiversidade global vai continuar inalterada”.

A tarefa não será fácil porque, segundo as contas do Índice, todos os anos a humanidade consome 25 por cento mais recursos naturais do que aqueles que o planeta consegue repor.

De 19 a 30 deste mês, os líderes mundiais reúnem-se em Bona, Alemanha, na nona Convenção das Partes (COP) da Convenção da ONU sobre Diversidade Biológica. Em cima da mesa estará, precisamente, a meta de 2010.

Fonte: artigo de Helena Geraldes publicado em 16-05-08 no PUBLICO:PT

Un Viaje por la Tierra

Vídeo espectacular produzido pela BBC. As imagens são impressionantes.

Nele podes viajar por algumas maravilhas do nosso planeta, as quais podem desaparecer em pouco tempo.

Vale a pena ver!


sexta-feira, 16 de maio de 2008

As espécies mais perigosas do Mediterrâneo


Se achavas que as espécies mais perigosas do Mediterrâneo eram as alforrecas, os tubarões brancos ou a alga Caulerpa( que sistematicamente tem eliminado espécies endémicas outrora abundantes), estavas enganado!

Repara nas seguintes criaturas que são bem mais perigosas:

-Os sacos de plástico que flutuam à deriva e são comidos pelas tartarugas que os confudem com as medusas seu alimento favorito.
Os sacos de plástico entopem o sistema gástrico da tartaruga, levando-as a morrerem à fome.

-Os suportes de plástico que unem conjuntos de 6 latas de bebidas, que, uma vez encaixados na cabeça de um peixe, nunca mais de lá saem, levando o animal a uma morte agonizante, à medida que o seu corpo tentar crescer em torno do colar que não se deforma.

-As pontas dos cigarros que são engolidas pelos peixes e lhes preechem os estômagos levam-nos a morrer de fome pois que as beatas não são digeridas nos seus orgãos digestivos.

Enfim, a lista de perigos nunca mais acaba… Clica aqui para saberes mais. Clica na imagem para a veres aumentada, grava-a e divulga-a aos teus amigos e colegas.
Vamos tentar não encher o Mediterrâneo, e restantes mares, destas espécies perigosas, colocando-as nos recipientes apropriados quando já não precisamos delas.

Fonte: Oceanário de Lisboa

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Urso polar em risco de extinção

Estados Unidos classificam urso polar como espécie “ameaçada"


O secretário norte-americano do Interior, Dirk Kempthorne, anunciou esta quarta-feira que o urso polar (Ursus maritimus) vai ser considerada espécie “ameaçada” e fazer parte da lista norte-americana das espécies protegidas devido à perda de gelo no Árctico.



O urso polar passará a estar abrangido pela Lei norte-americana das Espécies Ameaçadas porque “a perda de gelo do mar Árctico ameaça, e vai continuar a ameaçar, o habitat” destes animais, informa um comunicado do Departamento do Interior norte-americano. Os ursos polares usam este gelo como plataforma para caçar focas e ponte para as zonas costeiras. Mas no ano passado, a quantidade de gelo árctico no mar era 39 por cento menor do que a média do período de 1979 a 2000. Esta foi uma decisão que demorou mais de três anos a ser tomada. A lentidão do processo - lançado em Fevereiro de 2005, quando três organizações ambientalistas (Centre for Biological Diversity, Greenpeace e Natural Resources Defense Council) apresentaram uma petição em tribunal para pressionar o Departamento do Interior a incluir o urso polar na lista de espécies ameaçadas – reside no facto desta ser a primeira espécie listada devido aos impactos das alterações climáticas. Trata-se de uma questão sensível para a imagem dos Estados Unidos na comunidade internacional, muito criticados pela recusa da administração Bush em impor reduções de emissões de gases com efeito de estufa.Mesmo o reconhecimento dos efeitos nefastos do sobre-aquecimento global no urso polar não significa que Washington mudou de opinião. Na verdade, Kempthorne avisou no seu discurso que a protecção da espécie não pode ser confundida com a luta contra as alterações climáticas. “Listar o urso polar como espécie ameaçada pode reduzir perdas de animais. Mas não deve abrir a porta à utilização abusiva da Lei para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa de automóveis, centrais eléctricas e outras fontes”. Esta lei “não é o instrumento apropriado para definir a política climática norte-americana”. Kempthorne descansou o sector energético americano, garantindo que esta decisão vai permitir manter a exploração de petróleo e gás natural ao longo da costa do Alasca. Estas actividades continuarão a ser permitidas nas áreas onde vivam os ursos polares desde que as empresas cumpram as restrições impostas na Lei de Protecção dos Mamíferos Marinhos.Kassie Siegel, do Centro para a Diversidade Biológica, citada pelo “New York Times”, vê nesta decisão um reconhecimento “da urgência do sobre-aquecimento global” mas admite que, no terreno, terá pouco impacto na protecção da espécie.Segundo a Lei de Espécies Ameaçadas, de 1973, uma espécie está “ameaçada” quando existe o risco de extinção num futuro próximo. Estima-se que existam entre 20 mil e 25 mil ursos polares no Árctico. A espécie já sobreviveu a períodos de aquecimento das temperaturas, como o de há 130 mil anos. No entanto, os cientistas lembram que, desta vez, não conseguirá adaptar-se a um aquecimento tão rápido e tão vasto como o previsto para este século se as emissões de gases com efeito de estufa continuarem a crescer ao ritmo actual.
Fonte da Notícia: Público.PT

A mais Jovem Supernova da Via Láctea



Descoberta a mais jovem supernova conhecida na Via Láctea


Astrónomos norte-americanos descobriram a mais jovem supernova, uma estrela que explode no final da vida, conhecida na nossa galáxia, a Via Láctea, segundo trabalhos publicados ontem. A idade desta supernova foi estimada em 140 anos, talvez menos, o que significa que esta é, pelo menos, 200 anos mais nova do que a supernova até agora conhecida como sendo a mais jovem dentro desta categoria de objectos celestes da Via Láctea - a Casiopeia A. O astrofísico Stephen Reynols, da Universidade do Estado da Carolina do Norte, principal autor desta descoberta, já suspeitava que este objecto, baptizado G1.9+0.3 e observado pelos astrónomos há mais de 50 anos, era uma supernova muito recente. Reynolds examinou fotografias do objecto, tiradas em 2007 pelo telescópio espacial norte-americano Chandra X-Ray Observatory, e comparou-as com as que tinham sido obtidas em 1985 pelo telescópio "National Radio Astronomy Observatory's Very Large Array", da Nasa. As imagens do telescópio Chandra confirmaram, não só que se tratava de um fenómeno de supernova recente mas também que esta apenas tinha aumentado o seu tamanho em 16 por cento nos últimos 22 anos. Estas medidas permitiram estabelecer que esta estrela explodiu há 140 anos, ou mais recentemente se a velocidade da explosão tiver diminuído, explicou Reynolds. “Se não houvesse tantos detritos inter-estelares entre nós e este objecto, as pessoas poderiam ter visto esta supernova e teriam pensado que seria uma nova estrela, na constelação de Sagitário no período entre 1870 e 1900”, afirma. Uma supernova descreve o conjunto de fenómenos directamente ligados à explosão de uma estrela e é acompanhada de um aumento, breve mas extremamente intenso, da sua luminosidade.

A descoberta permitirá determinar com maior exatidão a frequência da explosão das supernovas na galáxia.
Os Astrónomos referiram ainda que a descoberta da G1.9+0.3 é importante não só por ser a supernova mais jovem mas também por nunca se ter visto uma expansão de partículas tão rápida, o que constitui um estímulo para mais estudos a partir do observatório Chandra.

Artigo retirado do site: http://www.novaciencia.com/

Poluentes atmosféricos podem causar coágulos nas veias

Partículas suspensas no ar provocam problemas na circulação sanguínea
Estudo norte-americano conclui que poluente atmosférico pode causar coágulos nas veias

Um estudo feito nos Estados Unidos concluiu que a poluição no ar aumenta o risco do desenvolvimento de coágulos nas veias. Já era conhecido o risco de ataque cardíaco e de AVC associado à poluição. Mas segundo a Escola de Saúde Pública de Harvard, a exposição a pequenas partículas químicas libertadas durante a queima de combustíveis fósseis, promove tromboses nas veias das pernas.O estudo utilizou os dados de 2000 pessoas em Itália, da região da Lombardia. Os investigadores obtiveram uma relação forte entre as 900 pessoas que desenvolveram este problema e um tipo de componente poluidor na atmosfera.Existem vários componentes que são considerados poluidores atmosféricos: o monóxido de carbono (CO), o dióxido de azoto (NO2), o dióxido de enxofre (SO2), o ozono (O3) e as partículas finas. A investigação debruçou-se no efeito das partículas finas com menos de 10 micrómetros PM10, que estão suspensas no ar. Os cientistas verificaram que as pessoas expostas a uma atmosfera com maior concentração de PM10 um ano antes do diagnóstico do coágulo, foram as mais propensas a desenvolverem os coágulos.Segundo o artigo publicado pela revista “The Archives of Internal Medicine”, por cada 10 microgramas de aumento de pequenas partículas por metro quadrado, o risco de desenvolver os coágulos nas veias sobe 70 por cento. Estas partículas, quando inaladas, aumentam o nível de coagulantes e reduzem o nível de anticoagulantes do sangue, acabando por promover o desenvolvimento de coágulos. Os coágulos formados nas pernas podem viajar para os pulmões e alojarem-se lá, havendo uma probabilidade do doente ter uma embolia pulmonar e morrer.Os cientistas também descobriram que as mulheres que consomem hormonas de substituição ou contraceptivos não são vulneráveis aos PM10. Estas substâncias causam por si os mesmos efeitos que os poluentes e estes acabam por não ter um efeito acumulativo.Até 1 de Janeiro de 2010 a União Europeia quer manter o valor máximo diário de PM10 em 50 microgramas por metro cúbico e reduzir para 20 o valor anual, que agora se situa em 40 microgramas por metro cúbico.
Fonte da notícia: PUBLICO:PT

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Cientistas testam tese de Popeye




Comer espinafres é bom para aumentar os músculos, diz estudo norte-americano

Cientistas decidiram testar a tese defendida nos desenhos animados pelo marinheiro Popeye de que os espinafres são bons para aumentar os músculos.
A tese, foi testada em laboratórios por especialistas da Universidade de Rutgers, em Nova Jersey.
A pesquisa consistiu na extracção de esteróides presentes nas folhas do vegetal, analisando-se o seu comportamento após o contacto com amostras de tecido muscular humano, notando-se um aumento da velocidade do crescimento dos músculos até 20%.No entanto, os investigadores afirmam que, para obter estes benefícios provenientes do espinafre, será necessário consumir pelo menos um quilo do mesmo diariamente.
Estudos realizados anteriormente já haviam sugerido que os espinafres podiam ajudar as pessoas a perder peso, diminuindo a velocidade da digestão de gordura e prolongando a sensação de saciedade.
O consumo dos espinafres está ainda associado ao aumento da capacidade cerebral.
Fonte: BBC

As Jóias Brancas - Pedras Raras









Parque abriga 70 gatos com olhos de duas cores
Um parque na Tailândia abriga cerca de 70 exemplares de gatos que têm como característica da raça, além do pelo branco, exibir um olho de cada cor, um azul e o outro amarelo ou verde. São os Khao Manees, também conhecidos como "Olho de diamante" e até "Jóia branca".

O Parque Royal Thai Cats é propriedade de Namdee Witta. O proprietário alega que os gatos do parque são descendentes diretos dos Khao Manees que pertenceram ao rei tailandês Rama V, que governou de 1868 até 1910, informou a agência Efe. Os Khao Manees eram os preferidos do rei Rama V, e a pena para quem roubasse um exemplar poderia ser a morte.
De temperamento dócil e confiante em humanos, o Khao Manee é considerado como o verdadeiro gato real do Sião, em vez dos siameses mais comuns, de pelagem bege ou acinzentada. Antigos poemas tailandeses dizem que um Khao Manee numa casa garante felicidade e vida longa.
notícia retirada de terra .com.br

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Veado vermelho em risco de extinção na Índia


Veado-de-Hangul conta com 160 indivíduos
Índia: subespécie do veado vermelho em risco de extinção
12.05.2008 - 16h14 Reuters
As armações do veado são vendidas a preços elevados no mercado negro

Uma subespécie do veado vermelho só tem 160 indivíduos. A última contagem feita pelas autoridades da Índia confirma que a população da região de Caxemira, no Norte da Índia, continua a diminuir. O estudo foi feito em Março pelo departamento de vida selvagem de Caxemira e pelo Instituto de vida selvagem da Índia.

O relatório preliminar diz que o veado-de-Hangul, Cervus elaphus hanglu “é uma espécie em risco crítico de extinção”. E acrescenta que tem havido “um declínio regular da população entre 2004 e 2008”.

O veado vive no Parque Nacional de Dachigam, uma zona selvagem que fica acima dos 1700 metros de altitude. Esta subespécie está na lista vermelha do IUCN, União Internacional para a Conservação da Natureza. No final dos anos oitenta existiam cerca de 900 veados-de-Hangul. A caça, a desfragmentação do habitat e a guerra separatista que há 17 anos domina a região são as principais causas da constante diminuição do número de indivíduos. “A caça ao veado de hangul continuou mesmo durante a guerra, quando os animais descem até à planície no Inverno”, explica Shameem Ahmad, que vive perto do santuário de Dachigam.

Existe um plano de reprodução em cativeiro e a Índia vai lançar o Plano de Conservação do Hangul para preservar o única população de veado vermelho que existe na Ásia.


Artigo retirado de PÚBLICO.PT em 12-05-08

sábado, 10 de maio de 2008

Muitos insectos tropicais a caminho da extinção


Alterações climáticas
Cientistas alertam para extinção de muitos insectos tropicais até ao final do século
Muitas das espécies tropicais de insectos podem extinguir-se até ao final deste século a menos que se consigam adaptar ao aumento previsto das temperaturas do planeta, alertam cientistas norte-americanos na revista "Proceedings of the National Academy of Sciences”.
Os cientistas da Universidade de Washington lembram que uma alteração no número de insectos pode ter efeitos secundários na polinização das plantas e, consequentemente, na produção agrícola.

Pra chegarem às suas conclusões, os investigadores estudaram o impacto em 38 espécies de insectos tropicais, especialmente sensíveis a mudanças de temperatura, das alterações climáticas entre 1950 e 2000.
Segundo explica a BBC online, os insectos não conseguem regular a temperatura do seu corpo. A única coisa que podem fazer quando são expostos a altas temperaturas é procurar sombra e locais mais frescos. Por isso, o aumento médio previsto de dois a quatro graus, até ao final do século, pode ser um problema de sobrevivência.
“Nos trópicos, muitas espécies parecem viver perto da sua temperatura óptima, o que lhes permite sobreviver”, explicou Joshua Tewksbury, da Universidade de Washington, citado pela BBC online. “Quando a temperatura sobe acima desse nível óptimo, pode não haver muito a fazer” por estas espécies, acrescentou.
Apesar de algumas espécies poderem migrar para latitudes mais elevadas e zonas mais frescas, outras não terão essa possibilidade.
Mas se nos trópicos muitas espécies poderão desaparecer, é certo que as populações de latitudes mais elevadas poderão aumentar.

Fonte da notícia: Público.pt em 09-05-2008
Artigo publicado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Ornitorrinco - TRÊS em UM

Genoma do ornitorrinco confirma características de ave, réptil e mamífero

:: 2008-05-07

O ornitorrinco, um animal peludo com bico de pato e dentes, patas palmípedes e cauda achatada tem características genéticas comuns aos répteis, aves e mamíferos, segundo confirma o seu genoma. Um grupo internacional de investigadores publica hoje na revista Nature o genoma do Ornithorhynchus anatinus, descrevendo-o como "uma amálgama de características pertencentes a um reptiliano ancestral e derivadas dos mamíferos" e com alguns dos seus 52 cromossomas a corresponderem aos das aves.
Este estanho animal de 40 centímetros de comprimento que vive na Austrália e na Tasmânia põe ovos e amamenta as crias, pertencendo por isso à ordem dos monotrematas, tem a pele adaptada à vida aquática e o macho segrega um veneno comparável ao das cobras. "A mistura fascinante de traços no genoma do ornitorrinco fornece muitos índices sobre a função e evolução de todos os genomas dos mamíferos", sublinha num comunicado o principal autor do estudo, Richard Wilson, director do Centro do Genoma da Universidade de Washington. Trata-se de um animal "único" por ter conservado as características dos répteis e dos mamíferos, uma especificidade que a maioria destes perdeu ao longo da evolução - assinala Wes Warren, também da Universidade de Washington. A sequenciação do genoma do ornitorrinco foi realizada com base numa fêmea chamada Glennie que vive na Austrália, na Nova Gales do Sul, por um grupo de investigadores em que participaram equipas de oito países. Depois de compararem este genoma com os do homem, do cão, do rato, do opossum e da galinha, os investigadores concluíram que partilha com estes 82 por cento dos seus genes. No total, tem cerca de 18.500 genes, dois terços dos do homem. Entre as suas originalidades, o ornitorrinco nada com os olhos, as orelhas e as narinas fechadas, e serve-se de receptores electro-sensoriais no bico para detectar os fracos campos eléctricos das presas debaixo da água. Como não tem tetas, o leite exsuda da pele para as crias, como nos marsupiais. Este animal, um dos mais primitivos do ponto de vista evolutivo, chegou pela primeira vez ao Museu de História Natural de Londres em 1799, vindo da Austrália, para espanto dos naturalistas que o estudaram.
Fonte: Ciência Hoje

terça-feira, 6 de maio de 2008

Solha e Faneca em risco no Tejo

Alterações climáticas estão a acabar com a solha e a faneca do Tejo
05.05.2008 Lusa


.

A solha e a faneca estão a desaparecer do rio Tejo, em busca de águas menos aquecidas pelas alterações climáticas, enquanto espécies até agora quase inexistentes, como o sargo do Senegal, chegam cada vez em maior abundância. O aumento da temperatura da água, de quase dois graus em menos de trinta anos, é a razão desta movimentação de espécies piscícolas no estuário do Tejo, segundo explicou a bióloga Maria José Costa.

Mas se umas espécies abandonam o Tejo, à procura de águas mais frias, outras vêm de longe para ocupar o lugar das que partiram. "É o caso do charroco [um peixe muito usado em caldeirada]. Quase não existia e hoje pesca-se com a maior facilidade. Outra espécie que também não havia e agora é a mais abundante do Tejo é o sargo do Senegal, que existia apenas na costa africana", conta a investigadora, que dirige o Instituto Oceanográfico da Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa.

Outro exemplo é a corvina, um peixe muito apreciado pelos portugueses: "Antes a corvina aparecia esporadicamente. Agora faz a sua reprodução no estuário do Tejo e encontra-se muita", adiantou. Os primeiros estudos da investigadora no Tejo foram feitos em finais da década de 70. Comparando esses dados com os actuais, a investigadora concluiu que as espécies habitualmente do sul aumentaram devido às alterações climáticas e, em especial, ao aumento da temperatura das águas.

O estuário do Tejo é o maior de toda a Europa Ocidental, com uma área de 320 quilómetros quadrados, e sofre outras ameaças, além das climáticas, como o aumento da população, a poluição, a introdução de espécies exóticas, a destruição de habitats naturais ou até a sobreexploração dos recursos. Mas as alterações climáticas são das que mais preocupam os especialistas: "Os cenários são catastróficos, não podemos continuar assim", defendeu Maria José Costa.

Resumo de artigo retirado de Ecosfera - PÚBLICO.PT

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Borboletas na Web - Lagartagis

Borboletas na web- Lagartagis



O lançamento de Borboletas na web é uma nova área de vídeo que acompanha as várias fases das borboletas a partir do Lagartagis. A iniciativa vai funcionar de forma semelhante ao que acontece com o site Grifos na web.



O Lagartagis é uma estufa de criação de borboletas aberta ao público no Jardim Botânico do Museu Nacional de História Natural. É um jardim com plantas mediterrânicas e habitado por várias espécies de borboletas, que podem ser observadas nas diversas fases do seu ciclo de vida.

Os objectivos do projecto são vários, entre os quais: assegurar a informação, sensibilização e participação do público, bem como mobilizar e incentivar a sociedade civil e promover a educação em matéria de conservação da natureza e da biodiversidade.

A equipa de trabalho pertence ao Tagis - Centro de Conservação das Borboletas de Portugal que é uma Organização Não Governamental de Ambiente (ONGA) formada no Museu Nacional de História Natural em 2004.


Imagem retirada do site: olhares.com

Anfíbios de Portugal, Rãs e Companhia



Exposição de Anfíbios no Aquário Vasco da Gama


O Aquário Vasco da Gama apresenta no seu auditório, de 9 de Março a 1 de Junho de 2008, a exposição "Anfíbios de Portugal,Rãs e Companhia"

Com esta exposição pretende-se:



  • Divulgar as espécies de anfíbios existentes em Portugal

  • Divulgar a biologia e ecologia destes animais

  • Sensibilizar a opinião pública para o estatuto de conservação dos anfíbios

  • Propor acções de preservação e conservação das espécies de anfíbios
Esta exposição é integrada no "ano Internacional da Rã, uma iniciativa coordenada pela Associação Europeia de Zoos e aquários (EAZA), com o objectivo de sensibilizar a opinião pública para a conservação destes animais.

sábado, 3 de maio de 2008

VII CONGRESSO DE NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO 2008


Vai realizar-se nos dias 29 e 30 de Maio no centro de congressos em Lisboa o VII congresso de Nutrição e alimentação 2008 organizado pela Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN).

Ver Programa

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Qualidade nutricional dos cereais de pequeno-almoço para crianças

Avaliação da qualidade nutricional dos Cereais de Pequeno-almoço destinados às crianças



O pequeno-almoço (PA) é considerado a principal refeição do dia, existindo evidência de que o seu consumo diário melhora o estado nutricional, melhora a função cognitiva, tal como tem sido descrito que previne a obesidade. Nestes últimos anos a prática de tomar o PA tem sido diminuída, especialmente no início da adolescência, estimando-se que nos Estados Unidos da América cerca de 21% e 36% das crianças com 9-13 anos e 14-18 anos, respectivamente, não tomam pequeno almoço.
De forma a responder a esta questão, a indústria alimentar tem estimulado o consumo de cereais de PA. A maioria destes produtos contem alegações nutricionais e de saúde, o que induz os consumidores a considerarem estes produtos mais saudáveis em detrimento de outros, descorando assim as suas propriedades nutricionais. Um estudo Norte-Americano, analisou a composição nutricional de 161 tipos de cereais de PA, dos quais 73 eram destinados exclusivamente às crianças e 88 não eram destinados às crianças, no sentido de verificar as diferenças entre estes dois grupos de cereais. Estes investigadores verificaram que os cereais de PA destinados às crianças eram mais densos energeticamente, contendo maiores teores de açúcar e sódio do que os cereais que não eram destinados às crianças. Este estudo sugere que os cereais de PA mais saudáveis são aqueles que não se destinam directamente às crianças, sendo por isso importante analisar a sua composição nutricional no momento de compra destes alimentos, se presente no rótulo da embalagem.
Fonte: Schwartz MB, Vartanian LR, Wharton CM, Brownell KD, Examining the nutritional quality of breakfast cereals marketed to children, J Am Diet Assoc. 02-05-2008 .

Pássaros bébés também palram


Os pássaros canoros (que cantam) não nascem ensinados. Tal como os bebés humanos que começam por "palrar", vocalizando uma enorme gama de sons antes de começarem a falar, também os pássaros juvenis começam por ensaiar os sons que se tornarão mais tarde os gorjeios próprios da sua espécie. Ao estudar esta aprendizagem em mandarins, pássaros de pequena dimensão, de nome científico Taeniopygia guttata, uma equipa de investigadores do MIT, nos Estados Unidos, conseguiu identificar um complexo funcionamento dos circuitos cerebrais que determinam este comportamento exploratório (de treino), colocando ao mesmo tempo em evidência a sua importância na aquisição das competências da idade adulta.Pesquisas anteriores tinham sugerido que os mandarins possuem dois circuitos cerebrais distintos relacionados com os seus cantos. Um deles ligado à aprendizagem e treino dos "vocalizos" e o outro para comandar a emissão do gorjeio no pássaro adulto. Nesta espécie, só os machos cantam e, embora cada indivíduo tenha a sua canção específica, ela é passada de pais a filhos, durante o processo de aprendizagem investigado pelos cientistas do MIT.Outros estudos tinham mostrado que se o circuito cerebral que comanda a aprendizagem do canto nos pássaros juvenis for danificado, o animal já não progride nessa aprendizagem e não chega a adquirir o domínio da sua canção. No entanto, se o circuito cerebral que comanda essa aprendizagem for danificado numa ave adulta que já aprendeu a sua canção, essa competência mantém-se intacta.Mas o que acontece nos juvenis se a zona ligada à emissão do canto nos adultos for desligada por drogas ou por cirurgia? Ao fazer esta pergunta, a equipa do MIT liderada por Dmitri Aronov levantou uma questão nova. E descobriu um interruptor que permite comutar os dois circuitos, com resultados surpreendentes. Neste caso os treinos canoros dos juvenis não são afectados. Bloqueando, porém, uma pequena parte do circuito responsável pela produção do canto num pássaro adulto, ele volta a usar o outro circuito cerebral que lhe permite voltar a fazer os sons juvenis, o que significa que os dois mecanismos cerebrais não são estanques.
Retirado de Diário de Notícias em 2-05-09

quinta-feira, 1 de maio de 2008

4 Dias - 1 Sol





Museu da Ciência de Coimbra celebra o Sol em quatro dias de observações e ateliers.



Sabias que o Sol tem quase cinco mil milhões de anos e que pode atingir os seis mil graus de temperatura? E que se encontra a uma distância de 150 milhões de quilómetros? É com estas perguntas em tom de desafio que o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra convida os mais novos para "4 dias - 1 sol". O objectivo é celebrar o "astro rei" na véspera das comemorações do Dia do Sol que se assinala no dia 3 de Maio. A iniciativa começou anteontem e prolonga-se até Sábado.
A organização desenvolveu um programa com observações solares e ateliers didácticos, onde destaca as actividades "Quem tapou o Sol?" e o "Que horas são?", onde as crianças vão poder saber mais sobre eclipses, relógios de Sol ou perceber como é que os marinheiros se orientavam pelo sol e outras estrelas. Os próximos ateliers têm lugar na Sexta-feira (2), de manhã, das 10 horas às 11h30, e à tarde, das 14 horas às 15h30, sendo também possível participar no Sábado (3) à tarde (das 15 horas às 16h30). Cada iniciativa tem um custo de três euros por criança e está sujeita a inscrição prévia.


:: Cienciahoje.pt em 2008-05-01

Júpiter: sombra e campo magnético contribuem para formar anéis



A sombra e o potente campo magnético de Júpiter contribuem para a formação de seus anéis externos, diz um artigo de cientistas americanos publicado pela revista científica britânica Nature. A poeira que rodeia Júpiter e que integra suas órbitas vem dos impactos de corpos interplanetários contra as pequenas luas que pertencem ao planeta.
Este material está organizado em um anel principal brilhante, uma auréola e dois anéis exteriores largos e de pouca luminosidade que são limitados pelas luas Adrastea, Metis, Amaltea e Tebe.
O anel mais externo é o mais tênue e tem um prolongamento quase invisível em torno de sua borda exterior, um "misterioso limite".
A partir das informações coletadas pela sonda espacial Galileo durante sua viagem através dos anéis de Júpiter em 2002 e 2003, dois cientistas da universidade de Maryland (Estados Unidos), Douglas Hamilton e Harald Krüger, puderam explicar como este prolongamento foi formado.
Os pesquisadores descobriram um buraco nos anéis quando os mesmos estavam dentro da órbita de Tebe, assim como grãos de poeira em trajetórias muito inclinadas e uma concentração de partículas muito pequenas na órbita de Amaltea.
Os grãos de poeira se carregam e descarregam alternadamente ao atravessarem os limites da sombra de Júpiter, o que confere ao poderoso campo magnético do planeta um comportamento excêntrico do ponto de vista orbital.
Os cientistas afirmam que a passagem das partículas do anel através da sombra de Júpiter é o que cria a extensão de Tebe e sugerem que isto poderia explicar algumas das características desconhecidas dos anéis deste planeta.
EFE
Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.